As fases do treinamento aeróbico e seus efeitos sistêmicos...

Oiiiiii gente! Oh nós aqui outra vez!!!! Profa. Renata Teodoro da fisiointensiva acreditando na ciência. 

E aí? Pensaram no treinamento aeróbico para os seus pacientes? Agora vamos falar das fases desse tipo de exercício e seus efeitos sistêmicos. Então liga o cérebro no extraforte e vamos com tudo!!!!

Na nossa conversa passada, falamos de alguns efeitos fisiológicos do exercício aeróbico. Então nós já sabemos que ele aumenta a oxigenação das células e a demanda metabólica, isso faz com que haja um aumento da temperatura corporal durante a sua execução. Um exercício tão legal, tinha que ter isso de inconveniente, porque com o aumento da temperatura, a gente transpira e acaba com a raiz do cabelo que estava escovada e chapada!!!!

Os efeitos fisiológicos do exercício físico podem ser divididos em: agudos imediatos, agudos tardios e crônicos. Os agudos imediatos: são observados nos períodos pré-imediato, peri e pós-imediato do exercício, que se caracteriza pelos aumentos de frequência cardíaca e respiratória, aumento da ventilação e sudorese normalmente associados ao esforço. Nesse período que há liberação de adrenalina, há um efeito muito importante para o aparelho respiratório, pois além de causar broncodilatação, a adrenalina aumenta o batimento ciliar, o que associado ao aumento da temperatura corporal, propicia a depuração mucociliar. Pode ver que quando você começa a fazer o exercício, sempre dá aquela tossezinha! Então para agora com essa drenagem postural e coloca esse paciente para andar! 

Os chamados efeitos agudos tardios, ocorrem nas primeiras 24 horas após o exercício. Identifica-se uma pequena diminuição dos níveis tensionais e na elevação do número de receptores de insulina nas membranas das células musculares. Olha que legal!!!! Caso o seu paciente seja um diabético, pré-diabético ou esteja louco de vontade de se tornar um, esse aumento no no. de receptores de insulina, faz ele aproveitar melhor a insulina produzida pelo sofrido pâncreas. 

Os desejados efeitos crônicos, também conhecidos como adaptações, resultam da exposição regular ao exercício. Dentre eles, as adaptações neuroendócrinas com efeitos sistêmicos e psicológicos, pois além de causar a sensação de bem-estar e prazer, as endorfinas causam um “vício” ao exercício, é ela que faz o indivíduo querer se exercitar novamente, afinal de contas, quem não quer se sentir bem?! Ainda por cima, as endorfinas serem vasodilatadores naturais que diminuem os níveis da pressão arterial.  Os mecanismos pelo quais os exercícios em longo prazo, atenuam a hipertensão também não estão completamente esclarecidos, porém após um programa de exercício físico aeróbico a redução da atividade nervosa do sistema nervoso simpático (SNS) contribui para a atenuação da PA. Além disso, observa-se que os níveis de catecolaminas plasmáticas circulantes, epinefrina e norepinefrina, estão diminuídos.

Estudos demonstram que o treinamento, diminui os níveis de catecolaminas plasmáticas de após três semanas de treinamento. A epinefrina diminuiu de cerca de 6 ng/ml para aproximadamente 2 ng/ml e a norepinefrina cerca de 1,8 ng/ml para 1,0 ng/ml. Depois das três semanas, os níveis de norepinefrina não se mantêm tão constantes quanto os da epinefrina, embora a diminuição de fato. Tudo isso causa também uma redução da frequência cardíaca em repouso. Já pensou você explicando tudo isso p ara sua família no almoço de domingo? Sua mãe, seu pai, filho, marido vão ter rompantes de orgulho!!! Quando aquele primo chato te perguntar o que tudo isso quer dizer você fala que nem adianta explicar porque ele não vai entender (é pra dar uma distancia científica e ele se colocar no lugar dele!). 

Não se esqueçam amiguinhos que a melhora da efetividade do sistema cardiovascular, distribui melhor o oxigênio para os tecidos, resultando na diminuição da sobrecarga do aparelho respiratório. Além do que tudo isso melhora a resistência a fadiga e a qualidade de vida.

Portanto, olha aí quem pensa que fisioterapia respiratória é só apertar o tórax e aspirar todo mundo por ai!!!! Avalie a capacidade do seu paciente ao exercício e qual a intensidade que se pode aplicar. Movimento é vida!!!!!

Um grande abraço cheio de oxigênio!!! Ah e se você gostou mesmo desse texto comenta aqui abaixo... será uma alegria imensa saber o que você achou e se você tiver dicas de temas que gostaria de sugerir será muito legal também..

Posts Relacionados

Prática baseada em evidência em fisioterapia respiratória.
Os recursos, manobras e técnicas em fisioterapia respiratória...
As terapias de expansão pulmonar
Fisiointensiva
Redes Sociais

© 2019 - Fisiointensiva - Todos os Direitos Reservados